Obrigo-o a dormir a sesta?

ROTINAS
Por vezes, os horários da família trocam-se e, com eles, a sesta das crianças. Então surge a grande questão: obrigo-o a dormir ou não? Fica a resposta a esta e a outras dúvidas.
Aos dois anos, o Martim era capaz de dormir duas horas depois de comer, mesmo que o vizinho tivesse resolvido utilizar o berbequim mesmo no quarto ao lado. Por isso, a mãe estranhou que, de um dia para o outro, tenha deixado de querer dormir a sesta ou encurtado radicalmente o sono da tarde. Será que na mudança da hora (de inverno ou verão) se alteram os seus horários ou é o corpo que já não lhe pede para descansar durante o dia? A resposta tem um bocadinho de ambas as coisas.
 

É necessária?

Não, pelo menos não no sentido de “obrigatória”. Contudo, a maioria das crianças entre os dois e os três anos continua a fazê-la se adquiriram este hábito quando eram mais pequenas. Isto porque se sentem melhor se dormirem. Em qualquer caso, o seu corpo é que responderá à pergunta se necessita ou não. No caso de estar cansado ou irritável umas horas antes de chegar a noite, seguramente necessita de uma sesta. Ao contrário, não há razão para obrigar a criança a dormir.
 

É benéfica?

Como nos adultos, a sesta serve para “carregar as pilhas”. Embora não seja imprescindível, quem a dorme fica mais relaxado pela tarde, com mais energia e até mais recetivo à aprendizagem. 

Quanto deve durar?

À medida que crescem, as crianças vão necessitando de menos horas de sono, tanto noturno como diurno. Entre os dois e os três anos a maioria dorme de uma a duas horas de sono diurno (duas horas os que acabam de fazer dois anos e cerca de uma ou menos aqueles que se aproximam dos três anos). Em qualquer caso, trata-se de medidas que nem todas as crianças cumprem. De facto, é possível que nesta idade haja quem durma um pouco mais e também quem já não faça praticamente sesta porque não precisa.
 

Como sabemos se dorme o suficiente?

Podemos somar as horas que a criança dorme diariamente. Se o resultado for por volta de 12 no total, não lhe podem estar a faltar horas de sono. No entanto, há crianças que não precisam de tanto tempo. Para saber se o nosso filho tem horas de sono suficiente, temos que observar o seu comportamento. Se durante as tardes está cabisbaixo e sem vontade de brincar ou correr, seguramente não descansou tudo o que necessita e faz-lhe falta uma sesta diária um pouco maior. Da mesma forma se o vemos irritado ou lhe dói a cabeça com frequência e já descartámos qualquer problema médico. Pelo contrário, se está tranquilo e brincalhão, é porque está a dormir as horas que realmente precisa. 
 

E nas férias?

Alterar as rotinas nas férias é habitual em todas as famílias: há mais tempo livre, as crianças gastam mais energia a brincar na areia da praia ou na água da piscina, não somos tão rígidos com os horários da comida… É certo, as férias são para relaxar e não é grave romper algumas rotinas. No entanto, alterar os horários do sono é outro assunto. Se somos flexíveis em excesso com isso, voltar à normalidade quando se acabam as férias pode ser um autêntico suplício. Por isso, a recomendação dos especialistas é que se estavam a dormir a sesta logo depois de comer, lhe devemos oferecer a possibilidade de o fazer à mesma hora também nas férias. Acontece de igual forma com o sono da noite: quanto menos se alterar o horário, melhor. 
 

E se não quer?

Obrigá-lo a dormir a sesta se não quer não é boa ideia. Dentro do possível, o ideal é que continue a associar a cama a um lugar agradável para descansar e sonhar; assim, começar uma batalha para ir dormir se não quer pode acabar por ser contraproducente. O que se pode fazer é oferecer-lhe a possibilidade de o deixar dormir depois de comer, como fazia antes. No caso de precisar, aceitará o convite. Se diz que não, talvez não precise dessa sesta. 
 

Se não dormir a sesta, dormirá à noite?

Existe uma teoria de que se não dormem a sesta, chegam tão cansados à cama à noite que adormecerão muito rápido, sem acordar uma única vez, mas acontece exatamente o contrário. Se precisa de dormir uma ou duas horas durante o dia e as saltarmos, quando chega à cama à noite estará cansado e irritável e nessas condições custará mais a adormecer, além de que o seu sono será mais agitado. 
 
Bebé d´hoje

Artigos Relacionados

A hora do banho

Para além da higiene, neste momento estabelecem-se momentos preciosos de contacto pele com pele, massagens, mimo... e amor.

Em casa com o bebé

Entramos em casa com o nosso filho e, de repente, a vida parece dar uma volta de 180 graus. Mas, com um pouco de organização, os primeiros dias ficam mais fáceis.

Estimular desde o nascimento

Saiba quais as estratégias, jogos e brinquedos que ajudam a estimular nesta idade.

Últimos Artigos para

Varicela

Pequenas lesões da pele que seguem uma evolução característica desde manchas, pápulas, vesículas e, finalmente, crostas.

Deixar a fralda: quando e como

É um dos desafios mais marcantes que a criança enfrenta ao longo do seu desenvolvimento. Mas só vai deixar a fralda quando estiver preparada, a todos os níveis, e ao seu próprio ritmo.

Tenho medo!

Porque será que as crianças têm tantos medos? Saiba como pode ajudar o seu filho a espantar os seus receios!

• Respeitem as horas de sono!
• Agora, o que ele mais gosta é…
• Viajar de automóvel em segurança